Verdades e Mentiras sobre Implantes Dentários

alt="Verdades e mentiras sobre implantes dentários"

Verdades e mentiras sobre Implantes Dentários

Quando o paciente  pesquisa sobre implantes dentários começam a surgir muitas dúvidas. E elas aumentam quando conversa com pessoas que não tiveram uma boa experiência. Há muitas propagandas enganosas nas mídias, prometendo verdadeiros milagres. Por isso resolvi fazer esse post para esclarecer a maioria das perguntas que todos os pacientes fazem. Usarei uma linguagem não técnica para melhor esclarecimento.

O que é implante dentário?

Implante dentário é um “pino” de titânio que é parafusado no osso, abaixo da gengiva. Ele tem a mesma função de uma raiz do dente natural. Em cima do implante o cirurgião dentista coloca um componente protético, que chamamos de intermediário, onde a prótese será parafusada ou cimentada.

Todas as pessoas podem fazer implantes dentários?

Não. O mais importante é que o paciente tenha um bom estado de saúde geral. Por isso o cirurgião-dentista deve realizar uma anamnese (questionário de saúde) onde todas as informações devem ser verdadeiras. Com base nas respostas, ele poderá indicar uma avaliação médica. Exames de sangue complementares devem ser pedidos. E exames radiográficos como uma radiografia panorâmica e tomografia são essenciais para fazer um bom planejamento. Dependendo da condição de saúde temporária do paciente, a cirurgia deverá ser adiada. Mas isso não impede que ele realize num futuro próximo. Por isso é necessária uma consulta prévia para avaliar o quadro clínico do paciente.

Quais são os fatores que contra indicam um implante dentário?

Implantes não devem ser colocados em crianças e jovens antes da fase final de crescimento. Pessoas que tenham uma expectativa estética exagerada também devem ser alertadas. Pacientes com problemas cardíacos , como próteses valvulares aórticas ou mitrais, cardiopatias congênitas ou com antecedentes de endocardite infecciosa não estão indicados para a cirurgia de implante, pois são considerados de alto risco. O cirurgião dentista deve sempre pedir uma avaliação prévia do seu médico de confiança. E para esses casos mais complexos,as cirurgias devem ser realizadas em ambiente hospitalar.Fumantes têm uma maior margem de insucesso no tratamento, e sempre devem ser esclarecidos sobre isso.

Os implantes rejeitam?

Não, não existe rejeição dos implantes pelo organismo. Os implantes são feitos de titânio e esse material é inerte ao osso. Isso quer dizer que o organismo não o percebe como um “corpo estranho”, e assim, começa a produzir células para que ocorra a sua osseointegração. Mas podem ocorrer problemas durante a cirurgia, como a falta de estabilidade na hora da sua fixação, no pós-operatório quando o paciente não segue as recomendações.  E isso pode ocasionar a falta dessa “osseointegração”. Assim, é formado um tecido fibroso em vez de tecido ósseo ao redor do implante, e este fica amolecido, dolorido e precisará ser removido. Por isso é muito importante realizar a cirurgia com cirurgiões dentistas capacitados, e de preferência especialistas em implantodontia.

Os implantes importados são melhores que os nacionais?

Antigamente só existiam implantes importados, o que encarecia muito o tratamento e atrapalhava a logística nos consultórios. Hoje existem implantes nacionais que são exportados para o mundo todo. A fábrica nacional de maior referência em implantes dentários foi comprada recentemente pela maior do mercado externo. E isso foi muito bom tanto para o profissional como para os pacientes.  O mais importante é que os implantes tenham passado no teste de qualidade e autorização para comercialização da ANVISA

Pacientes que não tem osso podem receber implantes?

Sim, mas precisam de um enxerto ósseo que pode ser adquirido da própria pessoa ou  materiais pré-fabricados. Para a escolha do tipo de enxerto devemos avaliar o risco de uma cirurgia maior, o local que será instalado o implante e a qualidade do osso. Em breve farei um post falando sobre os tipos de enxertos ósseos.

Qual a taxa de sucesso dos implantes dentários?

O índice de sucesso é de 98%, ou seja, em cada 100 poderemos ter problemas em dois. Mesmo nesses que tiverem problemas, uma outra cirurgia poderá ser realizada.  É importante frisar que em pacientes fumantes ou que façam uso constante de álcool tem essas médias diminuídas para aproximadamente 85% de sucesso.

É possível colocar os implantes e os dentes no mesmo dia?

Sim, mas nem todas as pessoas podem colocar implantes e dentes no mesmo dia. Para isso o paciente tem que ter quantidade e qualidade suficiente de osso. E os implantes têm que ter um “torque” (travamento) adequado.  É mais comum fazermos essas cirurgias que chamamos de “carga imediata” em dentes individuais anteriores e quando vamos substituir todos os dentes na mandíbula ou maxila. Nos implantes convencionais as pessoas esperam em torno de 2 a 3 meses na região inferior e de 4 a 6 meses na região superior para a colocação das próteses.

Quantos implantes são necessários em um paciente que não tem nenhum dente?

Depende do tipo de prótese que for planejada. Atualmente é possível fazer uma prótese fixa superior ou inferior com apenas 4 implantes (técnica “all on four”). Mas o mais convencional é usar 5 implantes na região inferior (mandíbula) e de 6 a 8 implantes na região superior (maxila). Também dá para realizar uma “overdenture” ou sobredentadura com apenas 2 implantes. Mas nesse caso a prótese não será fixa, e sim, removível (o paciente tem que tirá-la para sua higienização).

Quais são as etapas de tratamento?

A primeira e mais importante das etapas é a do planejamento. Nesta fase nós tentamos descobrir quais os objetivos do paciente e quais as reais possibilidades de trabalho que existem. Após a definição do tipo de trabalho a ser feito vem à parte cirúrgica, onde os implantes são instalados. No caso de implantes com carga imediata, dentes provisórios são colocados no mesmo dia da cirurgia. Nos casos tradicionais, o paciente deve aguardar durante 2 ou 3 meses para colocação dos dentes definitivos na região inferior e de entre 4  e 6 meses na região superior.

Colocar implantes dói?

Não. Se o seu dentista fizer uma medicação prévia que inclui o uso de um corticoide, antibiótico e analgésico previamente à cirurgia, seu período pós-operatório será bem tranquilo. Também deve ser passado por escrito todos os cuidados que o paciente deve tomar em relação ao repouso e alimentação. Os anestésicos evoluíram bastante , e uma quantidade bem menor é necessária para fazer um efeito mais duradouro. A anestesia é local, exatamente a que se toma para fazer qualquer tratamento dentário. Se preferir o dentista pode prescrever um ansiolítico para que o paciente fique mais tranquilo.

Qual a maior novidade em implantes dentários?

A maior novidade não está no implante, e sim , nos exames prévios à sua instalação. Através desse planejamento cirúrgico que é realizado pelo computador, são confeccionadas guias para que os implantes sejam instalados na posição correta. Dessa forma tornam-se desnecessários cortes na gengiva e  pontos. Esse tipo de tratamento é um pouco mais oneroso, mas tem uma grande facilidade para profissional e maior conforto para o paciente.

Tem mais alguma dúvida? Entre em contato conosco pelo telefone abaixo ou envie-nos uma mensagem  clicando AQUI

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *